sábado, 7 de outubro de 2006

hoje vi o mundo desfocado.

as pessoas como espectros difusos, dissolvidas em sombras, almas deambulantes sem rosto ou forma concreta, nem meros obstáculos a contornar, não pisar, não esbarrar, por ser apenas eu -eu corpo inquietado, emocinal, confuso, eu rosto cinzento, carregado, distante e presente, eu egoísta. e as pessoas somente geradores de ruído, presença-ausência ignorada, desprezada; as pessoas fantasmas, matéria ocupante, pedras animizadas...
até mesmo o sol incomodou, a claridade, o calor... as cores, as texturas, os sabores... e o barulho das pessoas, a seu estar sem raiz, a sua passagem constante, e o barulho,

o barulho!...


Shh!...



o barulho.



Desfocou.

3 comentários:

Mikas disse...

eu desfoquei também.



ou secalhar destrui-me.
[*]

francisco disse...

adorei a escuridão da tua escrita.
não é raro caminhar por roteiros algo parecidos com o que descreveste.
mas sinceramente, penso que se não me tivesse sentido assim não seria eu.
somos construídos e destruídos por todos os momentos que respiramos.

o ruído das pessoas em breve tornar-se-á música. assim espero
*

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.